10 de julho de 2019

Dicas: Pedra do Lagarto - Serra de Itapeti - Mogi das Cruzes/SP

Já faz algum tempo que Mogi das Cruzes se tornou para mim o ponto inicial de minhas caminhadas pela Serra do Mar. Perdi as contas das inúmeras vezes que fiquei aguardando o circular Manoel Ferreira sair do Terminal Estudantes e seguir em direção à Rodovia Mogi Bertioga. 
Pedra do Sapo, Lago dos Andes, Pico da Esplanada, Pico do Garrafão, as Cachoeiras da Light, Elefante e da Pedra Furada, etc... são alguns exemplos.
E para não repetir trilhas e continuar a fazer caminhadas nessa mesma região, tinha de ir atrás de outras opções próximas e a Serra de Itapeti era a que faltava conhecer. Ela tá bem próxima da Estação Estudantes da CPTM e sua crista se estende de leste a oeste por cerca de 15 Km. 
Se localiza ao norte da cidade de Mogi das Cruzes e conta com algumas trilhas que cortam a serra. É um prato cheio para quem está em busca de novas caminhadas.
Minha primeira incursão nessa serra foi a Travessia do Pico do Urubu onde presenciei lindos visuais panorâmicos e com gostinho de quero mais, prometi a mim mesmo que retornaria a esse lugar em breve. 
E não deu nem 1 mês e estou aqui de novo, só que dessa vez não queria caminhar por mais de 20 Km, já que estaria com a Silvera (que já tinha me acompanhado em outras trilhas).
Escolhi uma trilha de bate-volta e que não fosse tão cansativa e a Pedra do Lagarto foi a escolhida para um Domingo qualquer de Sol.



Na foto acima, no topo da Pedra do Lagarto mostrando a crista da Serra de Itapeti



Fotos: clique aqui

Vídeo dessa caminhada: clique aqui

Tracklog para GPS: clique aqui




Depois de embarcar no trem da CPTM na Estação Tatuapé, seguimos para Estação Estudantes sem necessidade de troca de trem, por isso o percurso foi relativamente rápido. 
E com cerca de 50 minutos já estávamos desembarcando e iniciando a caminhada.

Por ser uma trilha tranquila e sem problemas de navegação, só colocarei algumas informações uteis e importantes, já que um relato detalhado, como estou acostumado a fazer, acho desnecessário.



Como é a trilha


# A caminhada desde a Estação Estudantes até o topo pode ser feita em cerca de 1h30min sem pressa e parando em alguns lugares. Já para quem caminha rápido dá para fazer em cerca de 1hora.

# É uma trilha bem demarcada e aberta, não apresentando problemas de navegação.

# O total dessa caminhada, desde a Estação até o topo, tem pouco mais de 5,5 Km, divididos da seguinte forma:
 - 2,8 Km de asfalto.
- 1,4 Km em estrada de terra.
- 1,4 Km em trilha por dentro da mata.
Chegando na Ponte sobre o Rio Tietê
# O trecho inicial pelo asfalto possui várias opções: 
- A mais simples é ao sair da Estação Estudantes pelo lado norte, passe ao lado da Rodoviária e continue pela Av. Francisco Rodrigues Filho (paralela a linha férrea) sentido leste por 2 quarteirões passando pela rotatória do Habibs até chegar na Av. Antônio de Almeida, à esquerda (nós seguimos por uma rua paralela antes da Antonio Almeida, mas ao chegarmos em uma enorme praça viramos a direita e seguimos por ela). 
- Pela Av. Antônio de Almeida siga rumo norte e com cerca de 15min chegará em uma rotatória. Mais uns 5min e passará em cima do Rio Tietê e alguns metros à frente chegará em outra rotatória.
- Continue em frente pela avenida, passando por alguns condomínios populares do lado esquerdo até chegar ao final do asfalto e nesse ponto se inicia o trecho pela estrada de terra, conhecida também como Estrada Velha do Lambari. 
Início da Estrada de terra à direita

Trecho da estrada de terra
# O trecho pela estrada de terra é relativamente curto e finaliza em uma porteira de uma pequena chácara, do lado esquerdo e início da trilha do lado direito. Nesse local existe uma placa sinalizando que o lugar é a Reserva Botujuru (RPPN).
Fim da estrada e início da trilha à direita
# No início da trilha foram colocados troncos de árvores para bloquear o acesso de motos. 
Início da trilha
# A diferença de altitude chega a pouco mais de 300 mts, sendo que o trecho mais íngreme é subindo pela estrada de terra. No trecho pela trilha até existem pontos mais íngremes, mas são tranquilos e curtos.

# Iniciamos na altitude +- 750 mts e chegamos ao topo da Pedra com pouco menos de 1100 mts.
Vista para o norte do topo da Pedra
# Existem apenas 2 bifurcações bem demarcadas: 
- uma que leva até o ponto de água à direita; a uns 15min do início da trilha.
- e outra à esquerda, que cruza a serra de sul a norte; cerca de 15min depois do ponto de água e uns 5min antes de chegar no topo da Pedra (explorei ela por alguns minutos e que me levou a uma grande plantação de bananas e continuando pela trilha, ela seguia descendo para o norte, provavelmente levando a um Bairro conhecido como Beija Flor). Essa trilha de norte a sul pode ser uma boa opção de travessia da serra, retornando depois por outro caminho. Quem sabe no futuro. 

# Encontramos também outra bifurcação à esquerda, uns 5min depois do ponto de água e que parece seguir na direção oeste pela crista, mas que não era tão demarcada.

# O tracklog da trilha que usei foi do Rafael Cardozo e tá disponível no Wikiloc: clique aqui



Informações úteis


# No local onde existe o ponto de água, na verdade é um riacho que passa por dentro de uma tubulação e cai em um pequeno poço. 
Único ponto de água da trilha
# Do topo sem tem uma vista panorâmica somente para o lado norte.  

# Numa das extremidades da Pedra do Lagarto sai uma trilha que leva até uma cerca de arame ao lado de uma outra trilha que segue cruzando a serra. É uma opção de caminhada que cruza a serra de sul a norte, mas não explorei ela para saber onde ela finaliza.
Cerca de arame seguindo para o norte
# No trecho inicial pela estrada de terra, os pernilongos nos atacaram aos montes. Foram várias picadas e tivemos que correr para nos livrar. Parecia um enxame de abelhas. Muito cuidado. 

# No topo da Pedra existem alguns grampos fixados na rocha e que provavelmente são usados para rapel, pois numa das encostas a parede é vertical. 
Vista para oeste
# Não é possível avistar o Pico do Urubu e suas enormes torres de telecomunicações localizados à oeste, devido a Pedra do Lagarto não estar no ponto mais alto da crista da serra.

# No topo da Pedra não é possível montar barracas, já que ela é um pouco inclinada e sujeita a ventos fortes. 

# Encontramos sinal de telefonia celular somente em alguns pontos ao longo da trilha e no topo da Pedra. 



Logística


# Quem não quiser fazer toda essa caminhada a pé desde a Estação Estudantes tem a opção de 2 linhas de ônibus circular, que possuem ponto final próximo ao início da estrada de terra:
- C701 - Terminal Central (ao lado da Estação de Mogi das Cruzes) - Jardim Maricá.
- C702 - Terminal Central (ao lado da Estação de Mogi das Cruzes) - Jardim Maricá. 

# Valor: $4,50 (Julho/2019). 

# Porém não recomendo, porque economizaria apenas o trecho pelo asfalto que totaliza uns 30min de caminhada.

# Do Terminal Estudantes não saem linhas de ônibus para algum lugar próximo do início da trilha.
http://smtonline.pmmc.com.br/

# Para navegação e gravação do tracklog recomendo 3 app para o GPS do telefone celular. Todos na Play Store.
- A-GPS Tracker ou o GPX Viewer para navegar nos tracklogs.
- E o Wikiloc para gravar o tracklog do percurso.
Mandei o tracklog para o meu Gmail e depois abri no celular. Fácil.

11 comentários:

  1. Muito bom !! Mogi é uma região belíssima e pouco aproveitada.

    Augusto, sinto falta dos seus relatos no Mochileiros.com , faz mais de 1 ano que não aparece por lá. Não desanime

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Marcio, blz?
      Mogi das Cruzes tem muita opção mesmo. Não é somente Serra do Mar.
      Tenho muita vontade de percorrer o Rio Guacá.
      São várias cachoeiras e poções rio acima.

      Eu parei de acessar o Mochileiros porque não conseguia conciliar com familia e trabalho.
      É complicado até para manter esse blog aqui.
      Ultimamente até diminuí a quantidade de caminhadas que costumava fazer.
      Já passamos de meio século né e o corpo não é o mesmo.
      Temos de impor limitações.
      Mas de vez em quando só passo lá para dar uma lida.
      Se sobrar tempo, voltarei com mais frequencia.

      Valeu.

      Abcs

      Excluir
  2. Augusto. Primeiro quero agradecer a você por nós relatar suas caminhadas cheias de detalhes e dicas super simples.
    Participo de um grupo de amigos ( METALÚRGICOS NA TRILHA), E já algum tempo fazemos trilhas. E estamos querendo conhecer a Pedra do Largato, um lugar que podemos desejar conhecer graça a você que nos mostrou. Espero em breve poder que estar com meus amigos na Pedra do Largato. E com certeza vou estar mais grato a você.

    Sílvio
    silvioscr@uol.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Silvio.
      Nem precisa agradecer.
      As trilhas não devem ser propriedades de ninguém. Quem caminha por elas tem de compartilhar as informações.
      Nessa região da Serra de Itapeti existem pelo menos umas 5 caminhadas relativamente fáceis para serem feitas.
      Vale a pena.
      Aproveitem mesmo.
      E parabéns pelo grupo.

      Valeu

      Excluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Ola Augusto
    Obrigado pelo relato da trilha, sou de mogi das cruzes e agora estou conhecendo esse hobbie de trilheiro. Quando vier novamente, venha tomar um café.

    Vinícius
    yaguidesign@gmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Vinicius, blz?
      Essa região de Mogi e Biritiba Mirim ainda tem muita coisa para explorar.
      Pretendo ainda retornar com um pequeno grupo, quando o clima ajudar.
      Te dou um toque.

      Valeu

      Excluir
    2. Beleza, se quiser me manda teu contato no email.
      Quem sabe fazemos uma base de apoio aqui. Kkk

      Excluir
    3. Nesse verão tá dificil ter uma data que o clima ajuda.
      Mas quando planejar alguma caminhada por aí, te mando e-mail.

      Excluir
  5. Ola Augusto
    Obrigado pelo relato da trilha, sou de mogi das cruzes e agora estou conhecendo esse hobbie de trilheiro. Quando vier novamente, venha tomar um café.

    Yaguidesign@gmail.com

    ResponderExcluir