30 de julho de 2012

Relato: Travessia Rebouças - Mauá via Rancho Caído - Parque Nacional do Itatiaia

Em 1998 conheci pela primeira vez o Parque Nacional do Itatiaia (PNI) e gostei muito do lugar, voltando depois em 1999, 2003 e 2010.
Na minha primeira vez em 98 (relato aqui) só subi o Pico das Agulhas Negras. 
1 ano depois, em 99, voltei lá e fiz o Agulhas Negras novamente e o Morro da Massena NO, ao lado da antiga Pousada Alsene. 
Em 2003 passei pelo Parque para fazer a Travessia da Serra Negra, que era parte da Transmantiqueira que eu tinha iniciado lá no Pico do Marins, passando pelo Pico do Itaguaré e Serra Fina, em um total de 9 dias caminhando pela crista da Serra. Era a última parte dessa mega caminhada (relato aqui). 
Quando retornei em 2010 com o Sandro (do Fórum Mochileiros) foi para fazer 2 travessias juntas: a da Serra Negra “oficial”, dessa vez iniciando na Vila de Maromba, passando pela Cachoeira do Aiuruoca (relato aqui) e a Rui Braga, que liga a parte alta à parte baixa do PNI (relato aqui). 
E o retorno dessa vez era especial, já que iria fazer uma das últimas travessias que me restavam na Serra da Mantiqueira: a Rebouças-Mauá, que passa pelo Rancho Caído.

Foto acima: na trilha, passando ao lado da Pedra do Altar

Fotos dessa travessia: clique aqui



Rodoviária de Itanhandu
E junto com essa travessia planejava também subir o Morro do Couto e a Pedra do Altar.
E não daria para fazer todo esse roteiro em apenas 1 fim de semana, como a maioria faz; eu precisava de mais alguns dias.
Até convidei algumas pessoas, mas a dificuldade em dispor de alguns dias de folga em dias de semana era um empecilho para muitos, fazendo muitos se recusarem.
Minha intenção era fazer a travessia da seguinte forma: chegar no Posto Marcão (Portaria da parte alta do PNI) numa Sexta à tarde, a tempo de subir o Morro do Couto e depois ficar no Abrigo ou no Camping do Rebouças.
E no Sábado pela manhã iniciar a caminhada até o Rancho Caído onde acamparia, passando antes pelo topo da Pedra do Altar.
Já no Domingo pela manhã desceria até a Vila de Maromba, passando pela Cachoeira do Escorrega e ficando em uma pousada da Vila, retornando a São Paulo na segunda-feira.
Não saiu tudo do jeito que eu queria, mas não tive do que reclamar, já que os dias foram de muito Sol, que valeram muito a pena.
Com quase 1 mês de antecedência, enviei para o Parque a solicitação para a travessia, que é obrigatória. Para variar, demoraram um pouco para responder e com isso tive que ligar lá, mas consegui sem problemas.
Serra Fina ao fundo
Para o Abrigo Rebouças não reservei porque era dia de semana e estava crente que o lugar estivesse com vagas no Abrigo ou pelo menos no Camping. 
Quanto à questão do transporte, fui pesquisar alguns taxistas de Itamonte e marquei com um (Marquinhos), que me cobrou um valor bem baixo, para me deixar junto do antigo Alsene - pesquisei vários outros e todos eram bem caros. Não faltava mais nada e com a Natureza ajudando, prometendo vários dias de Sol, comprei a passagem de SP para Itanhandu/MG saindo Sexta pela manhã.
Novamente os relatos do Sérgio Beck seriam os meus guias. E não dava para reclamar, pois eram 2: um no livro Caminhos da Aventura e outro bem mais recente (ano 2003) na Revista Aventura Já. 
E no dia combinado estava embarcando as 08:00 hrs no Terminal Tietê pela Viação Cometa em direção a Itanhandu. 
A viagem foi tranquila e por volta das 12h30min desembarcava na Rodoviária da pequena cidade e aqui só foi aguardar o circular da empresa Delfim sair as 13h15min em direção a Itamonte. 
Serra do Papagaio ao fundo
Já tinha combinado com o taxista Marquinhos de me pegar em frente ao Hotel Thomaz (muito conhecido e ponto de referencia na cidade de Itamonte) e assim que cheguei lá, por volta das 14:00 hrs, ele já me aguardava. 
Só foi colocar a mochila no bagageiro do Uno cinza e seguir para o antigo Alsene.
Como todo mineiro que gosta de uma prosa, com o Marquinhos não foi diferente e ao longo da viagem fomos conversando sobre vários assuntos, entre eles os problemas da cidade e a falta de fiscalização aos táxis clandestinos.
Antiga Pousada Alsene
O bate papo estava bem interessante e com isso nem percebo que passo pelo antigo Brejo da Lapa, que está totalmente aterrado; bem diferente de quando conheci o lugar em 1998. 
E pouco antes das 15:00 hrs chego no antigo Alsene. 
Taxista Marquinhos
O lugar ainda continua da mesma forma quando passei aqui em 2010 e a única diferença é uma placa que foi colocada, dizendo que o lugar é uma propriedade particular.
Depois de me despedir do Marquinhos, continuo a caminhada até a portaria, passando ao lado da Pedra do Camelo, onde tinha um pessoal escalando. 
Chegando na Portaria do Parque
Bem na base da Pedra, onde existe um enorme descampado, presenciei a uns 15 anos atrás uma quantidade grande de pessoas acampando.
Na época o Parque fechava os olhos para isso, já que o Alsene sempre estava lotado. 
Logo à frente saio da estrada e sigo por um atalho, à esquerda, que termina próximo da portaria, onde chego pouco antes das 15h30min. 
O lugar estava vazio e eu crente que ainda teria uns 3 Km pela estrada até o Abrigo Rebouças, mas tomo um susto.
O funcionário do Parque, depois de ver a minha reserva da Travessia para o dia seguinte, diz que o Abrigo e o Camping do Rebouças estavam lotados. Fud....E agora José?

27 de julho de 2012

Relato: Travessia São Francisco Xavier/SP x Monte Verde/MG pela Trilha do Jorge

Assim que retornei do Parque do Ibitipoca (relato aqui), já queria fazer uma outra caminhada, mas dessa vez na Serra da Mantiqueira. Minha intenção era a travessia de São Francisco Xavier/SP a Monte Verde/MG pela Serra dos Poncianos. 
A logística para essa travessia era relativamente fácil: sair bem cedo de SP em direção a São José dos Campos a tempo de pegar o circular das 10:00 hrs para São Francisco Xavier e de lá cruzar a Serra da Mantiqueira na direção norte para chegar em Monte Verde. Não dei muita sorte porque a Natureza só mandou chuva e com isso essa caminhada não terminou como eu tinha imaginado.

Foto acima: na Trilha do Jorge, antes de chegar na Pedra da Onça

Fotos dessa caminhada: clique aqui
Tracklog para GPS: clique aqui


Ruas de São Francisco Xavier
Meu planejamento era esse: ao chegar em S. Francisco Xavier, seguir até a crista da serra pela Trilha do Jorge e acampar na Pedra da Onça, que é também conhecido pelo nome de Mirante. 
No dia seguinte seguir a trilha à sudoeste pela crista, na direção da Pedra Partida e de lá desceria até o centro de Monte Verde para depois retornar pela Trilha do Jorge e acampar novamente no Mirante ou em algum outro ponto da trilha.
E no outro dia descer para S. Francisco Xavier, completando o circuito. 
No retorno para S. Francisco Xavier encontraria a Márcia e a Sophia e ficaríamos por alguns dias para aproveitar as férias de ambos.
Como ia ser minha primeira vez, já fui com a expectativa de pegar uma trilha fechada com vara mato e alguns perdidos, porém o que me preocupava mais eram as chuvas. Não poderia adiar essa travessia, porque 1 semana depois dessa caminhada tinha agendado a Rebouças-Mauá, no Parque do Itatiaia (relato aqui).
Segundo a meteorologia, apesar da região da Mantiqueira estar nublada a vários dias, havia a perspectiva de melhoras no meu segundo dia na serra e agora era torcer para que as previsões estivessem certas.

20 de julho de 2012

Dicas: Parque Estadual do Ibitipoca/MG - 3 dias curtindo em família

Aqui é um pequeno relato com algumas informações e dicas do que ver no Parque em um roteiro que fizemos pelos 3 circuitos (Das águas, Janela do Céu e Pico do Pião) sem a necessidade de guias, caminhando por trilhas autoguiadas.
Pegamos dias de muito Sol e sempre entravamos no Parque pela manhã, saindo no final da tarde.
Eu estava com a esposa Márcia e nossa filha Sophia e fomos para lá início de Julho.



Foto acima: Janela do Céu


Fotos dos 3 dias no Parque: clique aqui



Atualizado com informações recentes em Julho/2020

Praça principal do Distrito
# O Parque está localizado no sul de MG, a cerca de 3 Km do Distrito de Conceição de Ibitipoca, que pertence ao município de Lima Duarte.
E está distante cerca de 27 Km por estrada de terra do município e uns 60 Km de Juiz de Fora.

# Com uma boa infra-estrutura, dispõe de portaria, centro de visitantes, estacionamento, restaurante e área de camping para 30 barracas que conta com vestiário e lavanderia.

As caminhadas pelo parque são divididas em 3 circuitos: das Águas, do Pico do Pião e da Janela do Céu. 
E todas as trilhas são autoguiadas, com placas indicativas e distâncias, por isso não existe a necessidade de guias. 
Administração do Parque
# Horário de funcionamento: todos os dias das 07:00 às 18:00 hrs.
Ao entrar no Parque, é fornecido um folder que contem um mapa com as principais atrações do lugar, assim como as distâncias entre eles.

# Atualmente (Julho/2020) o Parque está fechado e sem data para reabertura, devido à pandemia.

# Valores (ano 2020) 

- Entrada: $20 (segunda a sexta) e $25 (fins de semana e feriados).
- Estacionamento: $20 para motos e $25 para veículos.
- Uso do camping do Parque: $60/pessoa (valor incluso com entrada).

# Telefone do Parque para informações e reservas do camping: (32) 3281-1101
www.ief.mg.gov.br/component/content/192?task=view


Circuito das Águas
É o circuito mais tranqüilo dos três e pode ser feito até por crianças, claro que acompanhadas dos pais. Nós levamos a Sophia e ela adorou.
Tem um percurso de aproximadamente 5 Km, entre ida e volta.
Seu trajeto passa por poços, cachoeiras, praias, lindas formações rochosas e com ótimos visuais. 
É um roteiro que segue paralelo ao Rio do Salto, próximo à base dos paredões para depois retornar pelo topo do mesmo.
Saindo do restaurante e seguindo pela trilha em direção a Ponte de Pedra e no sentido anti-horário tem como atrações: Paredão de Santo Antônio, o Lago das Miragens, a Ponte de Pedra, Cachoeira dos Macacos, Cachoeira da Pedra Quadrada, Prainha, Prainha das Elfas, Lago Negro, Ducha, Lago dos Espelhos e por último a Gruta dos Coelhos, já próximo da sede do PE.
Abaixo segue a relação dos lugares por onde passamos:


15 de julho de 2012

Dicas: Campos do Jordão/SP - 2ª vez curtindo a cidade no inverno em família

Novamente estava de volta à Campos do Jordão com a Márcia e dessa vez só ficamos por 3 dias. 
Fizemos circuito diferentes do que tínhamos feitos anos atrás (relato aqui), quando ficamos por 5 dias na cidade.
E estávamos com a Sophia (nossa filha) também, o que nos fez incluir no roteiro passeios tipicamente infantis e que ela pudesse gostar.
Fomos para lá na primeira semana de Julho e sempre pela manhã iniciávamos nossos passeios, retornando a noite.

Foto acima: na base da Cachoeira dos Serranos (ou do Tobogã) em São Bento do Sapucaí


Fotos dos lugares visitados: clique aqui


Atualizado Julho/2020

Parque Floresta Encantada
Nosso roteiro foi:
1º dia: Parque Floresta Encantada e Borboletário Flores que Voam.
2º dia: Cachoeiras do Poção e dos Serranos em São Bento do Sapucaí.
3º dia: Pico do Itapeva e região.


Alimentação
Funciona na cidade o Shopping Market Plaza, localizado no Capivari. Tinham alguns restaurantes na pequena praça de alimentação, semelhantes aos shoppings de São Paulo.

# Restaurantes do bairro do Jaguaribe e Abernéssia são boas opções e a maioria deles fica na avenida principal. Algumas cantinas, pizzarias e churrascarias são boas opções.
Já comemos na Cantina Nonna Mimi, que possui valores justos e boa comida e também no Restaurante Querença da Serra, ambos no Bairro da Abernessia.
Cantina Nonna Mimi: Clique aqui
Querença da Serra: Clique aqui
Cachoeira do Poção
# O Capivari até seria uma boa opção, mas seus preços são bem altos e só compensa para passeios durante a noite ou comer um fondue, que não será barato.


No segundo dia almoçamos em São Bento do Sapucaí no Restaurante e Pizzaria Sabor da Serra - um dos melhores da cidade. Fica próximo do centro.
www.restaurantecomidamineira.com

Hospedagem

# A maioria das pousadas da cidade são extremamente caras.
Se ficar vários dias na cidade, compensa se hospedar em Santo Antônio do Pinhal, onde as diárias chegam a ter os preços abaixo da metade em comparação com as pousadas de Campos do Jordão. E a qualidade é a mesma.
Entre uma cidade e outra são apenas uns 20 minutos. 

# Na cidade existem 2 campings:
- CCB, que fica próximo do Horto Florestal e um pouco longe do cento do Capivari. Só para quem quer sossego mesmo. Clique aqui.
- E o Camping da Malu, que costuma servir de Parking Trailer, onde é possível encontrar algumas vagas. A área de camping é separada e conta com banheiros e chuveiros.
Se localiza próximo à colônia de férias do funcionários públicos de SP e a cerca de 500 metros do centro do Capivari. 
(12) 99749-8167 / (12) 99756-2578 / (12) 98126-0773. (segundo informações recentes, o lugar está fechado - confirme antes de ir).

Abaixo as dicas dos lugares por onde passamos nesses 3 dias:

7 de julho de 2012

Relato: Travessia Pindamonhangaba x Campos do Jordão pelo Pico do Itapeva

Este é o relato de uma das travessias que já estava na minha lista a muitos anos. É uma das caminhadas que me faltava na região de Campos do Jordão, mas sempre vinha adiando. Minha intenção sempre foi de subir a serra por uma trilha que finaliza próximo do Pico do Itapeva e depois descer por uma outra, completando o circuito.
E foi o que a gente fez: saímos de Pindamonhangaba (no Vale do Paraíba) subindo a serra pela trilha das Borboletas até o Pico do Itapeva e depois uma parte do pessoal desceu a serra pela trilha da Fazenda Hare Krishna, completando o circuito, enquanto que eu continuei a caminhada pela crista até próximo ao Horto Florestal e de lá desci pela trilha da antiga Usina Hidrelétrica Izabel.

Na foto acima, o pessoal subindo a serra pela Trilha das Borboletas


Fotos: clique aqui
Tracklog para GPS dessa caminhada: clique aqui

Em 2006, ao final da travessia do Pico do Carrasco, de Piquete até Campos do Jordão (relato aqui) eu e a Márcia finalizamos no Horto Florestal. 
Naquele dia até cogitamos em continuar a caminhada rumo oeste pela crista para quem sabe chegar no Pico do Itapeva, mas como terminamos com chuvas, nem discutimos a possibilidade. 
Pensei comigo: um dia ainda volto aqui para continuar essa caminhada pela crista, mas sempre fui deixando de lado.
E depois de várias tentativas infrutíferas resolvi fazer essa caminhada, mas da seguinte forma: saindo de Pindamonhangaba, subiria a Serra da Mantiqueira pela trilha das Borboletas até chegar no Pico do Itapeva e de lá continuaria pela trilha do Sertão dos Moreiras, seguindo pela crista rumo leste até chegar próximo ao Horto Florestal, descendo depois a serra pela trilha da antiga Usina Hidrelétrica Izabel
Do trecho de subida, tinha conseguido um tracklog plotado numa carta topográfica com o Lexus (site dele aqui), cuja caminhada iniciava próximo do Bar do Edmundo, em Ribeirão Grande (um bairro de Pindamonhangaba). 
E claro não poderia deixar de citar o Sérgio Beck, que no livro Caminhos da Aventura relata a subida dessa trilha, passando ao lado do Morro do Pinga.
Com um tracklog e o relato do Beck não precisava de mais nada.
Essa trilha sobe a serra em apenas 1 dia e é paralela a Trilha da Fazenda Nova Gokula (Hare Krishna), que termina também próximo ao Pico do Itapeva.
Agora era reunir um bom grupo que topasse qualquer perrengue e chamei para essa caminhada o Marcelo Gibson, o Sandro (Fórum Mochileiros) e um velho conhecido de muitas mensagens de e-mails: o Rodrigo, que toparam na hora. O Rodrigo, por sua vez chamou sua namorada - a Rosana e um amigo dele - o Renan e com isso a trupe estava formada.
Rosana, Rodrigo, Marcelo Gibson, Sandro, eu e o Renan
E num Sábado de Junho marcamos de todos se encontrar na Rodoviária do Tietê para embarcar às 07h45min em direção a Pindamonhangaba. 
A viagem foi tranquila e pouco depois das 09h30min já estávamos desembarcando na Rodoviária da cidade.
Aqui tínhamos ainda um trecho de caminhada até chegar ao ponto inicial do circular e lá fomos nós seguindo a pé para a antiga Estação Ferroviária da cidade, onde o ônibus para Ribeirão Grande sairia as 11:00 hrs. 
Não aguardamos muito tempo e pouco depois das 11h30min já estávamos desembarcando do circular ao lado do Bar do Edmundo, onde paramos para tomar alguma coisa.

28 de janeiro de 2012

Relato: Trilha das Cachoeiras do Ribeirão de Itu - Descendo a Serra do Mar até a Praia de Boiçucanga - São Sebastião/SP

Na década de 90 li um artigo no Jornal Folha de SP que falava de um roteiro de trekking pela Serra de Juqueriquerê (próximo à Caraguatatuba), com início no alto da serra e término na Praia de Boiçucanga, em São Sebastião com percurso de + - 7 hrs pelo Ribeirão de Itu. 
Lembro que informações eram só as básicas, citando que a estrada de acesso se iniciava ao lado de uma Delegacia em Caraguatatuba, passando ao lado de um viaduto abandonado no alto da serra e de várias cachoeiras quase no final da caminhada, mas como era artigo de jornal, lá também estava o nome da agência de ecoturismo e o telefone. 
Sem internet na época e só com o artigo de jornal não dava para arriscar, por isso deixei para lá.

Foto ao lado, na base da Cachoeira da Pedra Lisa, já quase no final da caminhada


Fotos + imagens de satélites mostrando a trilha: clique aqui



Uns 10 anos depois de ler essa reportagem resolvi pesquisar no Google sobre essa travessia, conhecida como Trilha das Cachoeiras do Ribeirão de Itu ou simplesmente Salesópolis-Boiçucanga.
O nome da estrada estrada de acesso à trilha encontrei com vários nomes: Estrada do Sol, Estrada do Rio Pardo, Estrada Salesópolis-Caraguá, mas o nome mais citado era Estrada da Petrobras, sendo muito usada pelo pessoal do 4x4.
Até encontrei um croqui da trilha, mas sem as informações de onde era o início dela. 
Em um fórum de 4x4 consegui alguma coisa sobre a estrada e por isso resolvi fazer todo o trajeto de moto iniciando em Caraguá e terminando em Salesópolis, para ver se era possível vir do litoral na caminhada até o início da trilha.
Na época a estrada era relativamente conservada até o alto da serra e o trajeto do litoral até o viaduto abandonado deu por volta de 17 Km, chegando na altitude de + - 500 metros, mas existia uma longa subida que levaria 1 dia inteiro (o trajeto completo de moto até Salesópolis não foi fácil, pois peguei chuva e estrada muito precária no planalto).
No site trilhaecia encontrei o tracklog completo dessa travessia que abrindo no Maps dava para ver algumas informações úteis, mas não dizia nada sobre como estava a trilha - no final do relato tem o link para download dele. 
Alguns sites de agências e blogs que comentavam essa trilha só disponibilizavam informação básica. Era aquele velho monopólio de conhecimento das trilhas que eu já tinha presenciado outras inúmeras vezes e quem faz caminhadas sabe que isso é muito comum, mas tudo bem. Já esperava isso. 
Um roteiro de bike pela Estrada da Petrobras escrito pelo famoso montanhista Sérgio Beck e publicado em uma de suas revistas continha um croqui de onde a trilha se iniciava e mesmo de posse dessas informações, fui deixando para lá. Sem saber como era a trilha, achava arriscado. Vai que pego um perrengue daqueles, tendo de varar mato, então fui fazer trilhas mais fáceis. 
Mas em 2011, quando finalizei a Trilha do Corisco (relato aqui) depois de várias tentativas, decidi que era a hora fazer a Trilha das Cachoeiras do Ribeirão de Itu e marquei para o início do ano para coincidir com as férias da Márcia e com isso levar junto nossa filha Sophia. 
Meu planejamento era fazer essa travessia em 2 dias e no final do segundo dia já encontrar a Márcia e a Sophia hospedados na Praia de Boiçucanga para aproveitar mais alguns dias com elas. 
Dessa forma a Márcia nos levaria de carro até o alto da serra ou um ponto próximo para depois voltar até a Praia de Boiçucanga.
Para essa caminhada chamei o Jorge Soto (velho parceiro de trilha) que por sua vez chamou o Ricardo (um amigo dele), mas escolher a data se revelou um problema que não ia se resolver tão cedo: chuvas que ocorriam quase que diariamente em SP no mês de Janeiro.
E como essa travessia do Ribeirão de Itu segue por suas margens por um longo trecho, meu medo era pegar uma tromba dágua no rio e com isso ficar isolado ou até algo bem mais grave acontecer.
E devido à essas chuvas tive que adiar essa trip algumas vezes e com isso a Márcia desistiu de ir comigo.
Minha intenção era fazer em um fim de semana ou dia de semana mesmo, mas comecei a ficar preocupado porque já passava da metade do mês e a previsão para o litoral sempre apontava chuvas. 
Será que teria de adiar novamente a trip para o ano seguinte? 
Mas uma boa notícia: no dia 20 de Janeiro o tempo iria dar uma melhorada e com isso não pensei 2x, marcando a travessia para os dias 20 e 21 (uma Sexta-feira e um Sábado) e mesmo sendo dia de semana, o Jorge e o Ricardo confirmaram.
Então o roteiro era esse: sairíamos de SP pela manhã para chegar na Rodoviária de Caraguá no máximo até as 13:00 hrs e de lá pegar um táxi que nos deixasse o mais próximo possível do alto da serra.
De lá seguiríamos pela Estrada da Petrobras até o início da trilha, onde íamos acampar e no dia seguinte descer a Serra até a Praia de Boiçucanga.