12 de março de 2018

Relato: Cachoeira do Elefante – o 2º retorno – Serra do Mar de Bertioga/SP

Em Março de 2006 conheci essa cachoeira pela primeira vez com um grupo de 10 pessoas e para economizarmos tempo na logística, contratamos uma van que nos deixou no inicio da trilha, no Km 81 da Rodovia Mogi-Bertioga e nos pegou de volta na mesma Rodovia, no Km 92,5, próximo de um local chamado Casarão e de lá retornamos para São Paulo. 
Quase 10 anos depois, em 2014 voltei sozinho a essa cachoeira fazendo o percurso de ônibus (Viação Breda) até o inicio da trilha e no retorno para Mogi das Cruzes eu peguei carona no Mirante do Km 86.
Só que dessa vez estava com um grupo de 6 pessoas e faríamos um trajeto totalmente novo, tanto para ida quanto para volta: seguiríamos de circular até a Balança, no Km 77 da Mogi-Bertioga e de lá na caminhada pelo acostamento da Rodovia até o inicio da trilha, no Km 81. Já o retorno seria na caminhada pela Rodovia desde o Mirante, no Km 86 até a Balança. 
Seria bem cansativo, já que no retorno seriam 5 Kms somente de subida da serra com aclive de uns 600 metros. Isso sem contar a travessia do Rio Itapanhaú, de forte correnteza e risco de afogamento, mas o pessoal disse que conseguiria, então seguimos com o planejado.



Foto acima na base da Cachoeira do Elefante com todo o grupo: nós 6 + as 2 garotas que se juntaram na descida da trilha  



Fotos dessa caminhada: clique aqui


Pequeno vídeo gravado na base da Cachoeira: clique aqui

Tracklog para GPS, saindo do Km 77, onde iniciamos a caminhada: clique aqui





Antes quero deixar registrado aqui que a região pertence ao Parque Estadual Restinga de Bertioga e devido a algumas mortes que ocorreram recentemente não é difícil encontrar o pessoal da Policia Ambiental e do Parque fiscalizando o local. 

E com isso, apreensão de barracas e autuação de algumas pessoas são comuns. 
Eles dizem que o objetivo da operação é garantir a segurança das pessoas e orientar a utilização correta das trilhas autorizadas da Unidade de Conservação (UC). 
Em outras palavras, é uma forma de obrigar o pessoal a contratar guias cadastrados pelo Parque.
E infelizmente por causa de alguns, todos são prejudicados.
http://fflorestal.sp.gov.br/parque-estadual-restinga-de-bertioga/




Trip inicialmente marcada para um Sábado, mas no último momento tivemos que mudar a data para um Domingo (o último do mês de Fevereiro) e com isso o grupo reduziu de tamanho, que no final foi benéfico, já que com um grupo maior teríamos problemas bem mais graves.

O grupo era eu, Silvera (não tem o “i”, pois é uma mulher), André, Henri, Uilson e a Deyse e marcamos de todos se encontrarem na Estação Guaianases da CPTM por volta das 07:00 hrs daquele Domingo de Sol.
E como é de praxe, alguns avisaram que se atrasariam e com isso resolvemos seguir para Estação de Estudantes e aguardar o restante do pessoal lá.
Chegamos em Estudantes pouco depois das 07h30min e dali seguimos para o Terminal de ônibus urbanos, que se localiza  do lado direito da estação. Agora era aguardar o restante do pessoal e embarcar no circular Manoel Ferreira.
Com todos reunidos, o circular saiu do Terminal as 08h20min.
Seguindo pela Rodovia Mogi Bertioga, chegamos na Balança, no Km 77, pouco depois das 09h00.
Daqui em diante era pé na estrada literalmente, seguindo em fila indiana pela Rodovia até o Km 81, tendo muito cuidado para não sermos atropelados.
Ao passarmos pelo Km 80,4, na entrada da trilha que leva à Cachoeira da Pedra Furada, me chamou a atenção uma viatura de uma empresa de segurança que estava no local com um grupo de umas 10 pessoas. Eram 2 seguranças que não deixavam o grupo seguir para a cachoeira e ficamos sabendo depois que ocorreu uma morte na Cachoeira no final de semana anterior e por isso estavam proibindo o acesso ao lugar. 
Lamentável a morte, mas não acho que proibir o acesso resolverá o problema.