31 de maio de 2011

Relato: Travessia do Rio Branquinho - Do bairro de Parelheiros até Itanhaém pela Serra do Mar

Trocando uns e-mails com o Gibson, ele disse que estava retornando para Trilha do Rio Branquinho na Serra do Mar, juntamente com o Raffa e o Sandro, do Fórum Mochileiros, para refazer a trilha.
A 1ª vez que tinham ido, eles saíram da linha férrea antes de chegar no túnel 24 e com isso pegaram o trecho errado da trilha e tiveram que voltar. 
Como eu já tinha lido relatos dessa travessia, sendo um deles do Sérgio Beck, apesar de estar com os nomes dos rios errados de acordo com a carta topográfica, sabia o lugar exato do início da trilha, que era logo após o túnel 24 e depois do convite do Gibson, resolvi me juntar.



Foto acima tirada na linha férrea pouco antes de chegar no início da trilha. Da esquerda para direita: Paulo, Marcelo Gibson, Raffa, Sandro e eu.


Fotos, carta topográfica e imagens do Google Earth com trilha plotada: clique aqui

Tracklog para GPS de toda essa caminhada: clique aqui 



Quem também se uniu ao grupo foram o Paulo Piacitelli (Fórum Mochileiros), o Minduim e o Clayton e agendamos essa trilha para o 27 de Maio de 2011 - uma Sexta-feira.
O tempo estava meio instável e diversos sites de meteorologia previam garoa na noite de Sexta e no Sábado durante do dia. Só melhoraria no Domingo com previsão de muito Sol e foi o que aconteceu.
Marcamos de todos se encontrar na saída do Metrô Vila Mariana por volta das 20:00 hrs onde pegaríamos o ônibus em direção ao Terminal Parelheiros, já com o Sandro nos aguardando lá. 
No dia e horário combinado, fui encontrar o Gibson, o Raffa e o Paulo em um barzinho ao lado da estação do Metrô já me esperando e com 2 baixas: o Minduim e o Clayton desistiram.
Aqui pegamos o ônibus 695Y - Metro Vila Mariana-Term. Parelheiros onde chegamos por volta das 22h30min já com o Sandro nos aguardando.
O ônibus que segue em direção ao Bairro da Barragem saiu logo em seguida e pouco depois das 23:00 hrs já descíamos do ônibus no ponto final com uma fina garoa.
Sandro, Raffa, Marcelo, Paulo e eu
Embaixo de um ponto de ônibus improvisado arrumamos nossas mochilas e iniciamos a longa pernada até a próximo ao túnel 25 da linha férrea, onde montaríamos nossas barracas e um dos passageiros que desceu com a gente só fez um alerta: “cuidado com as onças na serra hein” e talvez ela tenha aparecido, mas só à noite.
Seguíamos em direção à linha férrea e poucos minutos de caminhada paramos em um barzinho para comprar água, mas só tinha torneiral. Paciência.......
De volta à pernada, seguimos pela Estrada Evangelista de Souza por uns 300 metros até sair dela à direita e continuar a caminhada por uma estrada que antigamente era uma linha férrea que vem de Jurubatuba e que hoje está destruída pelo tempo e coberta pela estrada.
Caminhada no meio da noite

Na total escuridão e sob uma leve garoa, caminhávamos em um ritmo forte, desviando de poças de água e do barro até chegar nos trilhos da linha férrea administrada pela ALL (América Latina Logística) e usada para transporte de grãos em direção ao Porto de Santos. 
Mais alguns minutos e chegamos na antiga estação Evangelista de Souza à esquerda, pouco antes das 00h30min, abandonada e só encontramos algumas locomotivas esperando vagões, mas pelo menos a garoa tinha parado e depois de um breve descanso voltamos à caminhada agora pelos dormentes da linha férrea. 
Não foi fácil porque com a escuridão tivemos que iluminar os dormentes que íamos pisando e como eles estavam escorregadios, um tombo ali poderia machucar. 
Trem de carga da ALL

Por volta das 01:00 hrs passamos ao lado do local onde fica uma viatura da PM diariamente com a finalidade de barrar quem segue pela linha do trem, em parte devido às mortes ocorridas na Cachoeira da Usina do Capivari e as inúmeras pessoas que se perdem nessa travessia até o litoral.
Ali quem passa é somente os que estão indo para a Cachoeira/Camping do Jamil.
Por volta das 01h15min passou por nós uma locomotiva com uns 50 vagões descendo a serra que nos fez parar por alguns minutos até voltar a caminhar.
Mais uns 30 minutos e passamos ao lado do que foi um descarrilamento onde é possível ver restos de uma carga de grãos abandonado ao lado da linha férrea, mas o pior era que a soja derramada nos trilhos formou uma espécie de lama e que ao pisar, atolei toda a minha bota e o cheiro era insuportável. Coisa nojenta mesmo.
Caminhada ao lado da linha férrea
Passamos por duas pontes sobre rios, sendo que a segunda (Rio dos Campos) é um ótimo local para camping embaixo dela e pouco antes das 02:00 hrs passamos ao lado da entrada da trilha para a Cachoeira da Usina do Capivari à direita, onde estive em 2000 (relato aqui) e alguns metros à frente chegamos no primeiro túnel (o 27º), já com uma fina garoa. 
Aqui pegamos um pouco de água de uma nascente e eu tentei lavar a minha bota para retirar o mau cheiro, mas era impossível.
Depois de descansar por alguns minutos, voltamos à caminhada. 
Aqui atravessamos o úmido túnel 27 e mais uns 30 minutos depois dele, outro trem passou por nós em direção ao litoral, mas antes de passar todos os vagões, eis que outro trem passou bem ao nosso lado, mas dessa vez subindo a serra. O Sandro até tentou descer um pouco a encosta e quase não volta mais, já que estava bem escorregadia.
Trem chegando
Voltamos à caminhada, passando pelo túnel 26 e um pouco à frente o 25 e no final dele saímos da linha férrea por uma canaleta de água à direita e ali seguimos por trilha demarcada bem íngreme até chegar a um descampado uns 10 minutos depois sob fina garoa.
Nesse pequeno trecho, como eu estava em último na trilha quase sofro um grave acidente - passando ao lado de um desmoronamento à esquerda não percebi que a trilha estava bastante estreita e escorreguei ribanceira abaixo, mas consegui me segurar na vegetação e gritei para alguém vir me puxar e o Paulo veio em socorro. 
Se não houvesse a vegetação eu poderia ter rolado por alguns metros abaixo, mas graças a Deus sai sem nenhuma lesão. Por isso muita atenção nesse trecho, se alguém passar ali.
Camping no meio da mata

Já no descampado, o problema agora era montar a barraca no escuro e ainda garoando. 
Para piorar o terreno era inclinado e poucos lugares confiáveis. Depois de montar a minha correndo sob luz da lanterna joguei todas as coisas para dentro dela e em seguida fui trocar de roupa para me enfiar no saco de dormir que estava um pouco úmido por causa da garoa. 
O relógio marcava 03h20min e agora era dormir algumas poucas horas porque logo estaria amanhecendo e ainda tínhamos muito que caminhar. 
Acordei por volta das 09:00 hrs da manhã somente para olhar como estava o tempo e como era de se esperar, tudo nublado com uma garoa que ia e vinha de vez em quando.
De volta à linha férrea

Voltei a fechar a barraca, mas era difícil pegar no sono novamente, então resolvi levantar definitivamente pouco depois das 10:00 hrs.
Aos poucos todos foram levantando e desmontando as barracas.
Fiz um rápido café da manhã e por volta das 11h30min estávamos prontos para continuar a caminhada .
Pouco antes das 12:00 hrs já estávamos na linha férrea em direção ao início da trilha, já sem sinais de garoa, o que era bom. 
Da linha férrea, com algumas aberturas do tempo já era possível ver o vale do Rio Branquinho, onde caminharíamos bem próximo dele o dia todo, mas sem o visual da praia bem ao fundo. 
O problema era a neblina que teimava em ficar sobre aquela região.
Ponte sobre o Rio Branco de Cima

Pouco metros antes de chegar no túnel 24 passamos por uma enorme ponte que fica sobre o Rio Branco de Cima.
Embaixo dela vi que era possível acampar ou até bivacar ali protegido das chuvas e ventos, mas com um grande problema: o barulho dos trens que passam quase que de hora em hora subindo ou descendo a serra. 
Para quem não se importa com o barulho, o lugar é perfeito para passar a noite.
Cruzado o túnel 24 e mais uns 500 metros chegamos no início da trilha, marcado por uma enorme bananeira do lado direito às 12h20min. 
Aqui existe uma placa do Governo Federal alertando que aqui é “Terra Protegida” e que o acesso é interditado a pessoas estranhas, pois ali é área indígena. 
Início da trilha pela mata

O aviso é mais para que as pessoas respeitem a área que pertence e sempre pertenceu aos índios.
Junto da trilha existe também uma antena de rádio, que provavelmente é da empresa de logística que opera a linha férrea. 
O início da trilha é bem demarcado, mas é uma pirambeira e tanto, por isso o risco de tombos é grande e depois de um pequeno trecho no plano e com algumas bifurcações para esquerda que desprezamos, chegamos na casa do Índio João uns 10 minutos depois, as 12h30min. 
O lugar é bastante isolado e só tem uma casa bem rústica com cobertura de lona, onde vive João e sua esposa, pois seus filhos moram em Engenheiro Marsilac para ficarem próximos da escola.
Com o índio João
Como tínhamos trazido 2 Kg de alimentos/pessoa para doar na aldeia dos índios no final da trilha, resolvemos deixar alguns aqui.
Alguns clics depois e continuamos a caminhada, mas tivemos que retornar, pois a trilha correta é a que segue na última bifurcação da esquerda quando estávamos descendo, por isso voltamos uns 50 metros e seguimos na primeira bifurcação à direita (se estiver vindo da linha férrea, siga na terceira ou quarta bifurcação à esquerda). 
Deixando as bifurcações para trás, parece que todas elas se juntam à trilha principal e a pirambeira volta com tudo.
Rio ao lado da trilha
Por causa do solo escorregadio em alguns trechos, o Paulo foi de skibunda, já que para evitar os tombos só se segurando nas raízes e nos troncos das árvores.
Esse trecho lembra muito a trilha do Pico do Corcovado, de Ubatuba de tão íngreme que é, mas com algumas bifurcações criadas pelos índios.
Depois do trecho íngreme e por volta das 14h10min seguimos ao lado do Rio Branco de Cima à direita e chegamos a um descampado onde paramos para um descanso em um tronco de árvore.
Mais uns 15 minutos de trilha e chegamos a um local onde existe um poção e um pequeno remanso, à direita onde a trilha continua do outro lado do rio, mas por erro nosso continuamos em frente pela trilha junto à margem e uns 100 metros depois terminamos em outro rio, o Branco da Conceição, de águas cristalinas e rasas que vem da esquerda. 
Cruzando o Rio
Até procuramos uma trilha na outra margem, mas em vão, já que havia uma enorme encosta que era impossível de continuar a caminhada. 
Depois de perder um certo tempo tentando achar alguma trilha, voltamos até o poção anterior do Rio Branco de Cima onde atravessamos com água até um pouco abaixo da cintura.
Já do outro lado do rio, seguimos pela margem direita dele por uns 10 minutos até passarmos por um leito seco cheio de pedras e no fim desse, a trilha retorna ao rio, mas agora ela segue para o outro lado da margem, à esquerda do rio.
E lá vamos nós ter de atravessar novamente outro rio, mas esse já é o Branquinho (que era a junção dos Rios Branco de Cima e Branco da Conceição) e a altura da água chegava até um pouco abaixo dos joelhos.
O lugar é um dos mais complicados dessa trilha, já que não existe marcação nenhuma na trilha de que a continuação é do outro lado.
Rio Branquinho
Bem nesse local onde cruzamos o rio existe uma enorme árvore tomada por bromélias, na margem esquerda. A trilha segue quase paralela ao rio, se distanciando um pouco e perdemos um certo tempo para achar ela. Como já eram 15:00 hrs tínhamos de apertar o passo, pois nossa pretensão era acampar o mais próximo possível da aldeia, já que no dia seguinte tínhamos quase 30 Km de caminhada da aldeia até a Rodovia Pe. Manoel da Nóbrega.
Seguindo na trilha sempre pela margem esquerda do Rio Branquinho, daqui para frente foi uma sucessão de atravessar afluentes do rio um atrás do outro (acho foram umas 7x em que cruzamos com rios ou pequenos riachos) e as 16h45min chegamos na confluência do Rio Branquinho com o Rio Capivari.
Demos sorte também em encontrar bem ao lado da confluência um local de acampamento usado pelos índios, pois encontramos vestígios de uma espécie de tenda com lonas e cobertas jogadas ao chão e foi aqui que acampamos. 
Na confluencia dos Rios Branquinho e Capivari
Assim que montamos as barracas começou a escurecer.
Eu resolvi tomar um pequeno banho no rio, apesar da água estar bem fria e depois de colocar roupas limpas e secas fui preparar a comida que na verdade foi um jantar coletivo, onde cada um fez um prato diferente. 
O Raffa até trouxe alguns pedaços de linguiça e fritou ali mesmo e dividiu com todos.
Depois de saciados, fomos dormir por volta das 19:00 hrs e o sono veio rápido para mim.
Durante a madrugada fui checar a temperatura que marcava por volta de 15ºC, mas logo voltei a dormir e pouco depois das 07:00 hrs já estava levantando para preparar o café da manhã.
Camping ao lado do rio
O Gibson disse que acordou no meio da noite ouvindo passos de algum animal se aproximando das barracas e será que não era a onça que tinham nos alertado? 
Pode até ser e talvez ela estava atrás de comida.
Esse Domingo prometia ser de muito Sol e não deu outra. Logo pela manhã já era possível ver um céu totalmente limpo e os primeiros raios do Sol já apareciam do outro lado da margem do rio.
Desmontadas as barracas e mochilas nas costas, agora era procurar a continuação da trilha e seguindo pela margem esquerda, a trilha terminava logo à frente em um paredão onde era impossível passar, só nos restando cruzar para outro lado do rio. 
O problema era encontrar o trecho do rio onde era possível cruzar sem a correnteza forte e que não fosse tão fundo.
Margem do Rio Branquinho
Até achamos o lugar, junto ao cotovelo do rio e antes da pequena cachoeira.
Com uma corda que o Paulo tinha trazido, fomos cruzando o Rio Branquinho um a um com água até a cintura, mas sem maiores problemas; só o Paulo que teve um pequeno prejuízo, pois deixou cair o bastão de caminhada e a correnteza levou embora.
Já do outro lado o rio, existe também um descampado próximo à margem e muito bom para barracas.
Assim que cruzamos o Branquinho já eram pouco antes das 11:00hrs e de volta a caminhada seguimos por uma trilha bem demarcada tendo o rio do lado esquerdo, às vezes próximo dele ou não.
Trilha demarcada
Por volta das 12h30min chegamos nas primeiras casas da aldeia indígena e aqui encontramos o índio Henrique que nos disse que conseguiríamos uma carona para Itanhaém do outro lado do rio, junto a outra parte da aldeia. 
Aqui deixamos alguns alimentos com ele e partimos para cruzar pela última vez o Rio Branquinho, mas dessa vez com água até os joelhos, em um trecho onde ele era bem largo.
Já do outro lado pudemos ver que a energia elétrica já chegou na aldeia e em uma casa de índios é possível ver até uma antena parabólica. 
Com o cacique Arlindo (responsável pela aldeia) deixamos o restante dos alimentos e conversando com um senhor que estava no local, ele ofereceu carona em um caminhão de boi. 
Aldeia dos indios
Ou era isso ou quase 30 Km de caminhada até a Rodovia e não pensamos 2x. 
Mochilas para dentro do caminhão e lá fomos nós sacolejando pela estrada esburacada.
Saímos da aldeia pouco antes das 13h30min e ainda paramos no Bar do Zé Pretinho uns 15 Km depois.
Para quem está vindo na caminhada da aldeia, aqui é uma boa opção para descansar e tentar uma carona até a Rodovia e pelo que pudemos notar não é tão difícil conseguir uma, já que passam vários carros por ali. Se não conseguir carona, dá para contratar um transporte até a Rodovia.
O barzinho fica ao lado de uma futura barragem da SABESP para captação de água do Rio Branquinho e a partir daqui a estrada já está asfaltada. 
Daqui em diante forma mais uns 20 minutos de estrada até chegarmos na Rodovia Pe. Manoel da Nóbrega, junto a um posto de gasolina.
Carona de caminhão
Depois de agradecer a carona, ainda caminhamos alguns metros até o guichê da Viação Breda onde compramos as passagens para Sampa. 
O Paulo que mora em Botucatu embarcou logo depois que chegamos (15:00 hrs), pois só existia 1 única passagem e o Sandro embarcou alguns minutos depois em um ônibus que seguia para Osasco.
Já eu, o Gibson e o Raffa fomos ainda bebemorar para depois embarcar as 16:00 hrs.








Algumas informações uteis e dicas (Atualizado Maio/2013)

# Fotos e relato do Raffa: http://raffanocaminho.blogspot.com.br/2012/10/trilha-proibida-sao-paulo-itanhaem.html

# Trilha em GPS até a Cachoeira da Usina do Capivari postada no Wikiloc:
http://pt.wikiloc.com/wikiloc/view.do?id=2134319 

# A caminhada por essa trilha é proibida e considerada muito difícil, pela quantidade de bifurcações existentes e pelo número alto de pessoas que são resgatadas pelos Bombeiros. Regularmente a mídia divulga casos de pessoas perdidas nessa região. Um exemplo:
www.estadao.com.br/estadaodehoje/20110424/not_imp709990,0.php 

# Mesmo com o tracklog dessa trilha, eu não recomendo fazê-la somente com um GPS ou o relato. Essa trilha é repleta de bifurcações em vários trechos, feita pelos índios. Por isso, se mesmo assim quiser arriscar a fazer essa caminhada, vá somente acompanhado de trilheiros experientes e sempre em grupos. De maneira nenhuma sozinho ou em dupla.

# O ônibus que faz a linha até o Bairro da Barragem é a linha 6L05 - Term. Parelheiros - Barragem.

# Durante o dia, viaturas da PM ficam em um posto próximo da antiga estação Evangelista de Souza, proibindo a passagens de pessoas pela linha férrea, só autorizando até a Cachoeira/Camping do Jamil.

# Muito cuidado na caminhada pela linha férrea porque passam trens com + - 50 vagões de carga quase que de hora em hora e o recuo de segurança em alguns trechos é bem estreito, sendo pior dentro dos túneis.

# O local onde montamos nossas barracas atualmente está com o mato tomando conta. Quem foi para lá recentemente teve dificuldades para acampar. É preferível acampar sob a ponte do Rio dos Campos ou sob a ponte, ao lado do túnel 24.

# Toda a área por onde passa a trilha é reserva indígena dos índios Tupi-Guaranis, por isso existem vários acampamentos que eles usam, sendo comum também encontrá-los pela linha férrea.

# Muito difícil e extremamente perigoso fazer essa trilha em épocas de chuvas, já que os rios sobem muito e a correnteza é forte.

# Ao chegar na aldeia Guarani, peça autorização ao Cacique Arlindo para tirar fotos dos índios e de suas casas.

# Leve alimentos de primeira necessidade para serem distribuídos aos índios, já que você tá fazendo uma trilha em uma área que pertence a eles.

# O trecho final da aldeia até a Rodovia é longo e torça para conseguir alguma carona ou se possível contrate um transporte.

# No Bar do Zé Pretinho passa um circular 3x ao dia em direção ao centro de Itanhaém e que pode ser uma opção para quem está vindo na caminhada da aldeia.

16 comentários:

  1. Boa Augustão !

    Trilha com direito a chuva e sol, lama e pirambeiras, rios, algumas incertezas e sorte (caminhão de boi)

    Valeu a cia

    abs

    ResponderExcluir
  2. docemundodeilusoes07 maio, 2013

    Mais um excelente relato Augustão!
    Retratou fielmente nossa pequena aventura.
    E vamos para a próxima!

    Sandro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala Raffa e Sandro, blz?

      Papagaio tô indo no início do mês que vem com seu relato Sandro, mas esse ano quero ver se faço outras trilhas/travessias, como comentei lá na página do Raffa.
      Mas a gente vai se falando.
      E a cia de vcs nessa travessia foi muito legal.
      Valeu mesmo.

      Excluir
  3. ronniequintino07 maio, 2013

    Quero muito fazer esta trilha... estou me programando; vou com mais 2 amigos...
    Mas me fala sobre o posto policial... passaram como?!
    meu e-mail é ronniequintino@gmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Blz Ronnie.
      Nas 2x que passei por lá sempre foi a noite ou durante a madrugada.
      Até porque tinhamos já um lugar p/ acampar perto da linha do trem.

      Abcs

      Excluir
    2. ronniequintino07 maio, 2013

      Blz Augusto.. lembra de mim cara?
      Eu até te liguei para pegar dicas desta trilha... e fui..
      Fiz a descida mas choveu muuuito de sab pra domingo... ficou impossivel de passar pelo rio..
      Por segurança voltamos... Tem as fotos no meu face... Me add lá depois "Ronnie Quintino".
      Eu vou de novo mês q vem.. .e segurança nunca é d+...
      Vc tem o TrackLog? tem como me mandar?!
      Eu ñ achei o local de acampamento no 25 antes da descida...

      Excluir
  4. Blz Ronnie.

    Não tenho cadastro no face.

    Aquele local onde acampamos não recomendo.
    O terreno é inclinado e com muita vegetação.
    Veja nas fotos.
    Um pouco antes de do tunel 27 tem a entrada da cachoeira do capivari.
    Ali é um lugar bom.
    Ou embaixo daquela enorme ponte sobre o Rio Branquinho, antes de chegar no tunel 24.
    É perigoso, mas é plano.
    Tenho algumas fotos de lá.
    Ou se vc tiver tempo, bem na entrada do inicio da trilha, ao lado da ferrovia.
    Lá é bem plano e comporta varias barracas. Com certeza melhor lugar é ali, mas fica ao lado da ferrovia.

    Abcs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E uma coisa que esqueci.
      Nós fizemos essa trilha sem um tracklog.
      O máximo que eu tenho é até a cachoeira. Esse do link acima.

      Se não me engano quem levou um GPS e plotou toda a caminhada foi o Raffa.
      Dê uma olhada no blog dele. O link tá no relato.


      Abcs

      Excluir
  5. Olá Augusto.

    Muito bom o seu Blog! Impressionante as dicas e detalhes das caminhadas.
    Uma vez eu ouvi falar sobre uma trilha que saía de Marsilac e chegava a Itanhaém. Não acreditei muito na possibilidade, mas aquilo me deixou meio intrigado e curioso: como pode alguém sair de Marsilac e ir até Itanhaém pelo meio do mato? Pouco tempo depois, li uma reportagem no estado de SP sobre umas pessoas que haviam se perdido em uma travessia proibida na serra do mar e precisaram ser resgatadas. O trajeto colocado na reportagem era Parelheiros – Itanhaém. A partir deste dia, acho que foi em 2008, passei a ter certeza que a tal “trilha proibida” existia.
    Recentemente de novo ouvi falar sobre esta trilha. Pesquisei na internet, achei alguns relatos, mas nada tão detalhado quanto ao seu relato. Depois de ler, a curiosidade sobre a “trilha proibida” se transformou em vontade de realizá-la.
    Augusto, poderia acompanhá-lo em alguma trilha que pretende fazer? Quem sabe mais para frente eu esteja “apto” a realizar o desafio de Marsilac até Itanhaém....

    Abraços

    Felipe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Blz Felipe.
      Normalmente eu marco trilhas através de uma lista de trekking que faço parte.
      De vez em quando surge algum convite e aí eu faço junto.
      Se puder, se cadastre na lista.
      A pagina do Facebook é EXPLORADORESSP.

      Qto a Trilha do Rio Branquinho, não sou muito de repetir trilhas.
      Essa acho que não faço novamente.
      É uma trilha somente p/ superar desafios, porque de visual não tem quase nada.
      Ela é cheia de bifurcação e não recomendo p/ pessoas inexperientes em trilhas.


      Abcs

      Excluir
  6. Blz Augusto.

    Valeu pelas dicas!

    Felipe

    ResponderExcluir
  7. ESSAS TRILHAS SOMENTE NÓIAS FAZEM K K K K !!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu concordo em parte com o que vc diz, mas nas trilhas de Paranapiacaba a quantidade de nóias é muito maior.

      Abcs

      Excluir
  8. Pretendemos fazer dia 15-01-2016. Chuva vamos ver.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As chances de pegar chuva são muito grandes.
      E se não estiver chovendo, com certeza vai ter uma neblina ou um tempo nublado.
      Boa sorte.

      Abcs

      Excluir